Bilderberg 2012 - Balanço final (Parte III)

15-06-2012 15:07

Colocamos a terceira e última parte do Relatório Bilderberg 2012 de Daniel Estulin:

http://www.danielestulin.com/bilderberg-reportinforme-2012/

Bilderberg Relatório Parte 3

Economia dos EUA e crise financeira na Europa

" Uma das principais conclusões da reunião do Bilderberg: Os EUA vão manipular a queda do $ US em relação ao yuan chinês. O pensamento por trás desta desvalorização é que um dólar desvalorizado vai inflacionar as dívidas e obrigações dos Estados Unidos. O Bilderberg não está particularmente preocupado que as pessoas sejam as cobaias em toda esta situação. O que está a ser sacrificado é o poder de compra do US $ dólar.

É tudo parte do acordo dos EUA com Pequim para ajudar a inflacionar as dívidas de Washington e dar a Pequim mais peso na economia global. É por isso que Fu Ying, vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros da China e Yiping Huang, professor de Economia do China Center for Economic Research da Universidade de Pequim, foram convidados para a conferência Bilderberg deste ano. O conluio entre o Governo dos EUA e o Governo chinês está em andamento. Outros que participaram ativamente na discussão sobre a destruição do dólar dos EUA em detrimento do yuan foram Cheng Li, Diretor de Pesquisa e Senior Fellow do John L. Thornton China Center, Brookings Institution e Robert Rubin, co-presidente do  poderoso Conselho de Relações Exteriores (NT - Council on Foreign Relations (CFR) - a instituição "irmã" do Bilderberg nos EUA) e ex-secretário do Tesouro dos EUA.

O grupo Bilderberg é formado por ex-membros da aliança da NATO, EUA, Canadá e Europa Ocidental. Após a queda do Muro de Berlim, ex-membros do Pacto de Varsóvia menos a Rússia foram incorporados na organização. Na década de 1950, o grupo Bilderberg foi um elemento muito importante das estruturas oligárquicas do período da Guerra Fria, porque era um veículo através do qual os interesses privados da oligarquia financeira eram capazes de impor as suas políticas sobre os governos nominalmente soberanos.

Hoje o Bilderberg é um meio de reunir instituições financeiras que são os interesses financeiros mais poderosos e predatórios do mundo. E neste momento, esta combinação é o pior inimigo da Humanidade.

A presença de líderes do Partido Comunista Chinês é um fenómeno extraordinário que deve ser entendido em termos de uma conspiração EUA-China para desvalorizar o dólar dos EUA. Agora, é só uma questão de tempo até que o dólar dos EUA perca o seu papel como moeda de reserva (NT- "reserve currency" em inglês). O Bilderberg sabe que isso vai acontecer. O governo dos EUA sabe que isso vai acontecer. E a imprensa (NT - no original "mainstream press", é a imprensa tradicional detida geralmente pelos grandes grupos financeiros) sabe que vai acontecer. Eles QUEREM um dólar desvalorizado para que o governo dos EUA possa tentar um "default" (NT- incumprimento financeiro) nas obrigações domésticas e internacionais de Washington por meio da inflação.

Além disso, o Bilderberg está preocupado com outro megachoque do tipo Lehman Brothers - e a possibilidade muito real de corridas aos bancos. Como um Bilderberger disse: "A Europa e os EUA estão agora em rota de colisão com um segundo megachoque do tipo Lehman Brothers."

Como um banqueiro europeu presente na conferência do Bilderberg declarou: "Se você acha que a crise da Europa e sua moeda deflacionada vai ajudar a apoiar o dólar $ US, pense novamente." Na verdade, os membros do Bilderberg concordaram que o Fed (NT- Reserva Federal dos EUA ) será chamado para ajudar o sistema financeiro europeu imprimindo ainda mais dinheiro, causando assim o enfraquecimento do dólar a longo prazo.

PS:  Segundo o Presidente de Espanha, Mariano Rajoy, "a Europa salva a Espanha ou deve preparar-se para gastar 500 bilhões de euros no resgate da Espanha e 700 bilhões no resgate da Itália." Esta afirmação é um total absurdo.

A Itália não é a Espanha. Em primeiro lugar, a Itália nunca teve uma bolha imobiliária significativa. Em segundo lugar, a Itália, ao contrário de Espanha, tem uma dívida privada muito pequena. De acordo com a Autoridade Bancária Europeia, McKinsey Global Institute, a exposição direta líquida da Espanha à dívida por bancos que participaram nos "stress tests" (NT- testes de resistência dos bancos) do BCE é de 140 pontos (Dívida privada: 35, Soberana: 105). A exposição da Itália é de 15 pontos ( Dívida privada: 14, Soberana: 1).

Em terceiro lugar, a Itália é a "casa" da Nobreza Negra Veneziana e do seu vasto império bancário de primeira classe com uma história de cerca de 750 anos, bem como de centenas de empresas de excelente qualidade com nichos seguros nos mercados mundiais de exportação. ( NT -  De acordo com John Coleman, suposto ex-oficial do SIS/MI6 e autor da polémica obra The Conspirators Hierarchy: The Committee of Three Hundred, a "Nobreza Negra são as famílias oligárquicas de Veneza e Génova, que no século 12 conseguiram adquirir direitos comerciais privilegiados (monopólios). A primeira das três cruzadas, 1063-1123, estabeleceu o poder da nobreza negra veneziana e solidificou o poder da abastada classe dominante." "A aristocracia da Nobreza Negra obteve o controle completo sobre Veneza em 1171, quando a nomeação do doge foi transferida para o que ficou conhecido como o Grande Conselho, que consistia de membros da aristocracia comercial, um triunfo completo para eles. Veneza manteve-se em suas mãos desde então, mas o poder e a influência da nobreza negra veneziana estendeu-se muito para além das suas fronteiras e, hoje, é sentida em todos os cantos do globo." "A nobreza negra europeia ganhou este título devido aos truques sujos que utilizava,..." "  Eles usam assassinatos secretos, homicídios, a falência de cidadãos ou empresas contrárias aos seus objetivos, o sequestro e o estupro." De acordo com Coleman as famílias mais importantes da nobreza negra são as casas de: Guelph (UK) , Wettin (Bélgica), Bernadotte (Suécia), Liechtenstein (Liechtenstein), Oldenburg (Dinamarca), Hohenzollern (Alemanha), Hanover (Alemanha), Bourbon (França), Orange (Holanda), Grimaldi (Mónaco), Wittelsbach (Alemanha), Bragança (Portugal), Nassau (Luxemburgo), Habsburg (Áustria), Sabóia (Itália), Karadjordjevic (Ex-Jugoslávia), Wurttemberg (Alemanha) e Zogu (Albânia). )

 A maioria dessas corporações, como por exemplo a Assicurazioni Generali SpA, a maior companhia de seguros da Itália, constituem uma parte importante de algumas das mais poderosas sociedades secretas e organizações privadas como o Grupo Bilderberg. Depois, há uma interrelação entre a Máfia, o Estado, o mundo corporativo e o Clero, que isola a Itália de qualquer crise iminente. Finalmente, a Itália é o lar de uma instituição pouco conhecida chamada VATICANO.

A Itália não é a Espanha. Por favor entenda que os alegados 100 mil milhões de euros de resgate bancário é o primeiro passo na apropriação da Espanha pelas instituições financeiras mundiais. A Espanha já era. "

www.wearechangeportugal.org www.informaçãoincorrecta.com