Produtor de Hollywood: atentado de Boston foi um ataque de falsa bandeira

28-04-2014 11:11

 

Traduzimos a seguir uma parte de um interessante artigo da Infowars sobre o atentado de Boston. Um conhecido produtor e realizador de Hollywood, Nathan Folks, afirma que o atentado de Boston foi um ataque de falsa bandeira que envolveu actores usados em simulações de cenários de crise, sangue falso, etc.

Depois do "terrorismo sintético" exemplificado pelos atentados de 11 de Setembro de 2001 e pela "Estratégia da tensão" da NATO, estaremos agora na era do "terrorismo virtual" onde os atentados terroristas são encenados usando as extraordinárias potencialidades das novas tecnologias de "manipulação das percepções" ?

Outros possíveis casos de "terrorismo virtual" são o atentado no cinema de Aurora no Colorado e o  massacre na escola de Sandy Hook  em Newtown, Connecticut nos EUA.


Produtor de Hollywood afirma que atentado de Boston foi um "ataque de falsa bandeira"

voiceofrussia.com

27 de abril de 2014

 

Atores de crise (NT- crisis actors: atores usados em simulacros de cenários de catástrofe), bombas de fumo, sangue falso e literalmente "fumo e espelhos" faziam parte do ataque terrorista de falsa bandeira conhecido como o atentado da maratona de Boston. Para qualquer um que viu as fotos e filmagens de sangue falso, artistas de maquiagem e "vítimas" sorridentes era óbvio que algo não estava certo. Para aqueles que trabalhavam no cinema as discrepâncias eram óbvias. Nós falamos com o famoso produtor e diretor de Hollywood Nathan Folks sobre o porquê de estar convencido que o atentado da maratona de Boston foi um ataque terrorista de falsa bandeira.

 

Olá, este é John Robles. Estou a falar com o Sr. Nathan Folks, ele é um conhecido produtor e realizador de cinema e televisão baseado nos EUA. É também um dos organizadores da "Worldwide Wave of Action" e um buscador da verdade.

 

Robles: ... Tudo começou com o ataque bombista de Boston. Se você puder contar aos nossos ouvintes um pouco sobre o que você sabe sobre esse "evento" e o que aconteceu com você desde então.

 

Folks: Em 2013 estava a observar os eventos e, como produtor, pude identificar coisas muito específicas que não pareciam correctas. Eu comecei a perceber que estávamos a assistir a mais um evento de falsa bandeira. E como comecei a juntar as peças, percebi que estamos confrontados perante um ambiente que está a tentar criar um factor de medo nos meios de comunicação. Este factor de medo tenta manter-nos aterrorizados durante o maior tempo possível.

 

E os eventos que eu sei que são autênticos, incluindo o "herói de Boston", que fez parte do meu último filme, "The prosecution of an American president " e a sua esposa, comecei a reconhecer que este não era um evento 100% verdadeiro.

 

Robles: Quem é este herói de Boston? Qual o papel que ele desempenhou ?

 

Folks: Ele é na verdade um pai que tinha perdido um filho na guerra do Iraque, e ele era parte do nosso filme e uma parte do movimento, você sabe, de expor a verdade sobre o Iraque e falar sobre as coisas que a administração Bush fez durante esses anos da sua administração.

 

E eu fiquei espantado com o facto de que ele estava essencialmente a ser utilizado para atuar neste ambiente falso, este cenário de hiper-realidade de um terrorismo que nunca aconteceu.

 

Robles: Agora, pode dizer- nos três coisas aqui se pudesse. Você usou o termo "Hiper-Realidade" o que é isso e como é usado ? E o que é um ator de "crise" (NT - crisis actor  no original) ? Muitas pessoas ainda não sabem o que é. E se você pudesse explicar em detalhe para os ouvintes algumas das coisas que você viu como por exemplo os falsos êcrans e os cenários onde foram feitas as filmagens e coisas do género ?

 

Folks: Começarei por dizer que se houve realmente uma lesão ou uma morte o meu coração está com as famílias das vítimas. Mas das pessoas que eu conheço que estiveram envolvidas, das pessoas que estavam nas cenas daquilo a que chamo Cinema de Hiper-Realidade, que é muito comum nas forças armadas.

 

[Neste cinema de Hiper-realidade] ... criam um cenário de hiper-realidade, para que os militares possam estar bem ajustados a uma cena real no Iraque ou em qualquer outro tipo de zona de guerra. ... as pessoas são realmente capazes de ver, sentir e ajudar o que eles acham que é um verdadeiro ferido quando na realidade é apenas um ator (ator de crise) que está a representar o papel de alguém que tinha perdido os seus membros, mas um maquiador foi capaz de reconstituir uma cena sangrenta sem "nenhuma perna ter sido rebentada" e esse cenário de hiper-realidade, para que eles realmente vejam e se sintam como se estivessem numa zona de guerra.

 

Estava a ver isto acontecer nas ruas de Boston e pensei, um: como foram capazes de fazer isso sem ninguém se aperceber ? E dois: observando as edições e a transmissão de televisão supostamente ao vivo, entendi que não tinha sido "ao vivo", que as imagens tinham sido editadas.

 

Robles: Como sabe ? O que você viu ? Quais foram as pistas que você viu ?

 

Folks: Bem, havia um monte de coisas. Nas imagens ao vivo, você não vê cortes. Você sabe, o corte de uma cena para outra e na filmagem ao vivo você não tem, especialmente agora, isto não foi feito em tecnologia HD de 2013, isto foi feito com tecnologia antiga de 2002, porque é granulada e você não pode ver as edições também. Como uma cineasta isso é o que eu faria se estivesse a tentar encenar algo assim...

 

Robles: Peço desculpe. Pode ser mais específico? Não entendi isso. Então foi feito usando uma tecnologia antiga?

 

Folks: Estão a usar uma tecnologia mais antiga que é mais granulada (NT- grainer no original). Então você não pode ver a verdadeira qualidade HD ... Se você olhar imagens antigas do início do ano 2000 ou até mesmo da década de 1990, são muito granuladas e quando você estiver a ver as imagens numa nova televisão de tecnologia com plasma mais recente e HD e qualquer tipo de nova tecnologia, você pode ver que foi editado.

 

Robles: Portanto durante o atentado as estações de televisão estavam a usar a tecnologia moderna?

 

Folks: Eles estavam definitivamente a usar a tecnologia moderna no ano passado. É só quando você vê fotos de 2013 que estavam em HD e depois você olha para os clipes e cortes das imagens da televisão, é muito óbvio que foi usado de propósito.

 

Robles: Você pode falar um pouco sobre algumas das cenas. Tenho a certeza que muitas pessoas que estavam interessadas no que realmente aconteceu, elas viram algumas das fotos, por exemplo: o amputado com muletas, aparentemente deixando sair as pernas ou algo assim, e sangue que parecia ser tinta , quer dizer, vi sangue, trabalhei num hospital, eu sei qual é o aspecto do sangue, é escuro, é vermelho acastanhado e aqui estávamos a ver uma tinta vermelha brilhante. O que nos pode dizer sobre isto ?

 

Folks: Penso que uma situação ainda mais óbvia é que: se as suas pernas forem rebentadas numa explosão você não vai estar na frente de milhões de pessoas celebrando Boston num jogo de hóquei ou em qualquer tipo de arena. Acho que o impacto emocional de perder as pernas afastaria a vítima dos olhos do público pelo menos durante um ano. Este foi o exemplo mais óbvio para mim mas, na medida em que qualquer um que tenha trabalhado nos paramédicos ou na enfermagem saberá, se as suas pernas  explodirem, não é suposto que você se mova.

 

Se alguém cair aqui ... dizem para você não se mexer, ... Você poderia ter partido um osso ou o pescoço; a sua coluna pode ter sido deslocada. Você não vai mover a pessoa que caiu e certamente não a vai colocar numa cadeira de rodas e empurrá-la pela estrada fora.

 

... O mundo todo sabe que o atentado de Boston foi uma piada; todos nos Estados Unidos têm sido alimentados com mentiras atrás de mentiras. Isto começou em 9-11 e ainda não parou. "

 

No resto da entrevista Folks referiu que no ataque de Boston as cenas foram recriadas para a TV usando uma técnica de efeitos especiais/pós produção chamada Chroma key (ou Green screen) , "...uma técnica de efeito visual que consiste em colocar uma imagem sobre uma outra através do anulamento de uma cor padrão, como por exemplo o verde ou o azul.

É uma técnica de processamento de imagens cujo objetivo é eliminar o fundo de uma imagem para isolar os personagens ou objetos de interesse que posteriormente são combinados com uma outra imagem de fundo.

O efeito ou técnica Chroma Key é utilizado em vídeos em que se deseja substituir o fundo por algum outro vídeo ou foto." (wikipedia)

Folks acrescentou que para recriar a cena foi necessário adicionar sangue falso e amputados e que durante todo o episódio era visível uma senhora vestida de cor de rosa que fingia estar a ajudar as vítimas mas que na realidade estava a colocar maquilhagem nos atores.

 

Por outro lado referiu que ele e outras pessoas que escreveram sobre os atentados ficaram com doenças estranhas levantando suspeitas de envenenamento.

 

FONTE: http://www.infowars.com/hollywood-producer-claims-boston-bombing-was-a-false-flag-attack/

 

www.wearechangeportugal.org www.informaçãoincorrecta.com